Início dos trabalhos 2014

Escultura_de_Exu_na_Praça_dos_Orixás (Large)

 

” Exu é caminho, é energia, é vida e determinação. É cumpridor da LEI, é esperto, é Guardião. Exu é trabalho, é alegria veloz,  é viver. É a magia e o encanto, o sangue na veia vibrando, Exu é prazer. LAROYE!”

Sabendo que a religião de Umbanda, segundo o Caboclo das Sete Encruzilhadas é: – “A manifestação do espírito para a prática da caridade”, qual a principal função desempenhada pelos Exus em nosso TEMPLO?

Exú é a Entidade que cuida da Segurança da casa, seus médiuns e consulentes.

São muito amigos, quando tratados com respeito e carinho, são desconfiados mas gostam de ser presenteados e sempre lembrados, são excelentes conselheiros desde que você esteja pronto a ouvir a verdade. Estes espíritos, assim como os Preto-velhos, crianças e caboclos, são servidores dos Orixás.

Às vezes temidos, às vezes amados, mas sempre alegres, honestos e combatentes da maldade no mundo, assim é Exu.

Você quer conhecer mais a fundo esta entidade, ou está precisando lavar á fundo sua alma?

Sábado, 11/01/2014 as 19:30, GIRA DE GUARDIÕES E DAMAS, no Templo de Umbanda Caboclo Ubirajra. Comanda pelo Sr Sete Porteiras.

Esperamos todos de portas abertas.

Um enorme abraço, axé!

Pai Carlos de Oxóssi.

Caboclos

Cacique Pena Branca

Originalmente, a palavra Caboclo significa mestiço de Branco com Índio mas, na percepção umbandista, refere-se aos indígenas que em épocas remotas habitaram diversas partes do planeta, como civilizações aparentemente primitivas, mas na realidade de grande sabedoria.

Espíritos que, embora em sua encarnações tenham vivido em outros países, identificam-se espiritualmente na vibração dos Caboclos, como por exemplo, os índios Americanos, os Astecas, os Maias, os Incas e demais indígenas que povoaram a América do Sul.

Falar em Caboclos na Umbanda, é fazer menção a todos eles que, com denominações diversas, atuam em nossos terreiros e que, com humildade, como muito bem recomenda a espiritualidade, omitem detalhes referentes às suas vidas quando encarnados.

Na Umbanda, os Caboclos constituem uma falange e, como tal, penetram em todas as linhas, atuando em diversas vibrações. Entretanto, cada um deles tem uma vibração originária, que pode ser ou não aquela em que ele atua.

Antigamente existia a concepção de que todo Caboclo seria um Oxóssi, ou seja, viria sob a vibração deste Orixá. Porém em nossa percepção, compreendemos que Caboclos diferentes, possuem Vibrações originais diferentes, podendo se apresentar sob a Vibração de Ogum, de Xangô, de Oxóssi ou Omulu. Já as Caboclas, podem se apresentar sob as Vibrações de Iemanjá, de Oxum, de Iansã ou de Nanã.

Não há necessidade da Vibração do Caboclo-guia, coincidir com a do Orixá dono da coroa do médium: o guia pode ser, por exemplo, de Ogum, e atuar em um sensitivo que é filho de Oxóssi; apenas neste caso, a entidade, embora sendo de Ogum, assimilará a vibração de Oxóssi.

Caboclos na irradiação dos Orixás

indio gruppi
Caboclos de Oxóssi:
São os que mais se locomovem, são rápidos e dançam muito. Trabalham com banhos e defumadores, não possuem trabalhos definidos, podem trabalhar para diversas finalidades. Esses caboclos geralmente são chefes de linha.

Caboclos de Iansã:
São rápidos e deslocam muito o médium. São diretos para falar e rápidos também, muitas das vezes pegam a pessoa de surpresa. Geralmente trabalham para empregos e assuntos de prosperidade, pois Iansã tem grande ligação com Xangô. No entanto sua maior função é o passe de dispersão (descarrego). Podem ainda trabalhar para várias finalidades, dependendo da necessidade.
Continuar lendo