Oxum – Dona da pureza

Ora ie ieu Oxum,
Salve dourada senhora
Da pele de ouro!
Benditas são suas águas,
e essas mesmas águas lavam meu ser
e me livram do mal.
Oxum, Divina Rainha, bela Orixá, venha a mim,
caminhando na Lua Cheia.
Traga, mãe, em suas mãos, os lírios do amor e da paz.
Torna-me doce, sedutora,
suave, como és.
Mamãe Oxum, me proteja, Orixá.
Faça que o amor seja constante em minha vida Que eu possa amar a tudo o que existe.
Me proteja contra as mandingas e feitiçarias.
Daí a mim o néctar de sua doçura e que eu consiga o que desejo Mãe do ouro, da beleza e do amor, Senhora do mais puro Axé, valei-me hoje e sempre.
Aie ieu Oxum!

Xangô, o vencedor – Rita Ribeiro



Por detrás daquela serra,
Tem uma linda cachoeira!
É de meu pai Xangô!
Que arrebentou sete pedreiras!

Foi água nascendo na fonte e espinho na flor!
Do seu medo escondido nasceu a coragem de ser vencedor.
Punhal na mão, no peito um escudo mais fiel,
de quem na terra concebeu o céu!

São sete pedreiras que ele aprendeu a quebrar,
na faísca da furia, no raio da chuva à luz do luar!
Lavou o corpo com o vinho amargo do suor,
e fez do proprio bem, de todos os males, talvez o menor!

Oração de São Francisco de Assis

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.