Em busca de milagres


Sentadinho no seu toco, afastado do médium que lhe deveria servir de instrumento encarnado, o preto velho deixava suas lágrimas rolar rosto abaixo. Observando calado, estava cansado e já esgotara seus argumentos junto aquele moço que usava o nome de seu protetor, para dar passagem à sua vaidade.

Depois de uma mediunidade reprimida por longos anos, o rapaz que já havia passado por inúmeras Casas Espíritas, achou interessante o trabalho que se fazia nos terreiros de Umbanda e resolveu assumir sua mediunidade que a tanto lhe pediam que fizesse. Entrou para o curso que a Casa oferecia, onde se pretendia educar os médiuns, discipliná-los para que se tornassem bons instrumentos. Mas na verdade, o que lhe atraía mesmo eram os rituais, as incorporações, o toque dos atabaques… Depois de trabalhar como cambone por algum tempo, seu preto velho, feliz pela aceitação do aparelho, se chegou e por alguns anos, trabalharam em perfeita harmonia auxiliando os necessitados, exercendo a caridade tão útil e necessária para ambos.

Certo dia um amigo lhe convidou para ir com ele consultar uma tal de “Cigana Flor” (*), que segundo ele, lia as mãos e também as cartas e que desvendava o futuro de qualquer pessoa. Quando recebeu o convite, quase recusou, lembrando das palavras de seu protetor preto velho que sempre aconselhava os consulentes a evitarem buscar milagres fora de si mesmos, mas a curiosidade foi mais forte e se deixou vencer por ela.

Pagando para isso, ouviu da “Cigana” o que queria ouvir para inflar seu ego. O local já instigava ao mistério, pois além do ambiente muito colorido, exalando o cheiro forte de incenso, ela mantinha amuletos variados dependurados pela “tenda” o que criava um certo temor nos visitantes. Muito bonita, vestia-se exoticamente como cigana e mantinha um sorriso teatral no rosto.

Além de muitas adivinhações de seu futuro, ela afirmou que o rapaz tinha um cigano como companheiro espiritual com o qual deveria passar a trabalhar, e que isso lhe traria um sucesso material certo. Como tudo o que se afiniza conosco acaba encontrando ressonância em nosso ser, aquilo começou a incomodar a sua mente, tirando-lhe o sono. Passou a sonhar com dias propícios, com viagens, com bens materiais que com certeza, o emprego de simples funcionário público não lhe daria no futuro.

Durante o sono, o bondoso preto velho tentou lhe arrancar deste estado hipnótico, porém seu esforço foi em vão, pois o rapaz retornou ainda à cabana da Cigana Flor e, em cada vez sua energia se afinizava mais com as entidades que lá estavam e cujo malefício ele ignorava. Daí em diante, pela faixa vibratória em que adentrara, tornou-se impossível a aproximação do espírito cuja missão era de reencaminhar aquele ser encarnado, tantas vezes falido.

Continuando a freqüentar o terreiro de Umbanda, o rapaz não se deu conta da diferença energética havida nas vibrações que agora recebia. Hipnotizado e conduzido pelas entidades que buscou exercendo seu livre arbítrio, agora era seu escravo e mesmo pensando que fosse ao preto velho que dava passagem, na verdade estava sendo médium das trevas.

O dirigente da Casa, orientado pelo seu guia, iniciou um chamamento de atenção à corrente mediúnica, esclarecendo sobre o perigo de cada um deles servir de “braço para as trevas” dentro do terreiro. Alertava sobre a fé racional, e a importância de se evitar os fenômenos em detrimento da simplicidade que deveria se revestir a caridade. Além disso, o Guia Chefe, incorporado, por várias oportunidades chegou a pedir que os médiuns que estavam buscando outras bandas, que tivessem o bom senso de escolher o lado que queriam seguir, para se evitar que a dor viesse como chamamento à realidade.

Indiferente, mesmo com a consciência pesada, ele prosseguiu qual animal em busca do corredor do matadouro.

Nesta noite porém, por ordem dos Superiores que mantinham a proteção daquele terreiro, seria dado uma chance àquele espírito orgulhoso que se fingia de preto velho e que agora se dizia mentor do rapaz. Ele seria levado a desvendar a máscara e assim se fez. Quando os atendimentos encerravam, através das preces cantadas e pontos riscados foram feitos campos de força no plano astral, impedindo que aquele espírito pudesse sair livremente dali. Grudando-se ao médium, ele manifestou toda sua ira e o baixo nível em que se encontrava.

Desafiou a luz e a direção da Casa, dizendo que ali entrava qualquer um e fazia o que queria e que ele iria se instalar com toda sua falange, para mostrar como se fazia magia de verdade.

Sob o comando de Ogum, os guardiões Exus atuaram após a tentativa inútil de diálogo com a entidade, afastando-o do ambiente. O médium por sua vez, após a desincorporação de seu “amigo”, tentando se justificar, fingiu passar mal.

Atuando em outro aparelho disponível, seu verdadeiro protetor agora manifestava-se para dizer a ele que, para sua tristeza, a escolha fora feita e que pelas cores exaladas, seu corpo energético demonstrava que ele não estava arrependido do consórcio que fizera. A partir de então, liberava-o para seguir seu caminho e solicitava ao dirigente do terreiro que desligasse o médium da
corrente, pois uma fruta podre pode estragar o cesto todo.

Indignado, o rapaz agora saía do ambiente dizendo palavrões e impropérios à toda corrente, demonstrando suas verdadeiras intenções, prometendo mostrar o poder que tinha. Seus afins espirituais o esperavam na rua e o intuíram a buscar naquele momento mesmo, a Cigana Flor.

Desequilibrado e sob a influência do mal, passou num bar para beber e quando saía dali, já tonto, encontrou na porta aquela que se passava por Cigana, acompanhada de seu atual namorado. Sem pensar muito, barrou a moça, agarrando-se no seu braço exigindo que ela fosse para casa para atendê-lo. Por sua vez, o namorado da moça, o qual também estava com companhias espirituais nada
recomendáveis, envolvido pela energia brutal dos mesmos, enciumado, virou-se e deferiu vários golpes contra o rapaz que caiu batendo a cabeça e desacordado foi levado ao hospital, não resistindo e vindo a desencarnar com lesão cerebral, pelo traumatismo craniano sofrido.

Em tal estado vibratório, se viu fora do corpo sendo arrastado pelos “amigos” que fizera nos últimos tempos no lado espiritual e que sabendo de sua mediunidade, agora o levavam como escravo, para as zonas umbralinas mais densas.

Mais uma vez a falência daquele espírito. Recebera nesta encarnação mais uma preciosa oportunidade através da mediunidade, mas se deixou levar pela vaidade, o orgulho, o materialismo, a soberba. Sementes que trazemos adormecidas em nosso espírito e que se adubadas podem invadir a lavoura do bem, sufocando e matando qual erva daninha. A nós cabe a escolha de priorizar o bem ou o mal, sabendo que tudo na vida tem um preço a ser pago. Como poderia ter sido diferente sua história se ele apenas tivesse fé sem buscar os fenômenos e sem priorizar o mundo material.

Seu protetor preto velho, atua ainda na Umbanda através de outro instrumento que lhe faz jus, mas não se cansa de descer às zonas mais densas em busca do arrependimento de seu pupilo, pois sabe que um dia ele virá. E nova tentativa se fará, pois a essência de todo homem é o bem. O mal, é máscara transitória que usamos para nos esconder de nós mesmos, uma vez que diante do

Supremo somos todos transparentes. Sempre!

(*) Existe na Umbanda uma Linha Cigana de trabalhos espirituais, agindo no plano da saúde, do amor e do conhecimento e que trabalham com princípios magísticos. O que não tem nada a ver com o caso exposto, onde a pessoa usava sua mediunidade para explorar monetariamente, sem amparo da Luz, sem egrégora condizente. Lembrando que os trabalhos de Umbanda, seja de que Linha for, são sempre realizados dentro de um Templo com a cobertura da Espiritualidade Superior.

Vovó Benta – Psicografia Mãe Leni