Exú: O mistério além da Religião

Não é nossa pretensão, seja pela incapacidade humana ou pelo nosso desconhecimento, nos apresentar como donos da verdade neste mistério tão oculto, porém dotado de poder e importância para a religião de Umbanda e para a Criação, mas sim contribuir como tantos outros autores fizeram discorrendo sobre ele, tentando assim minimizar alguns mitos, preconceitos e principalmente medos que possam existir sobre Exú.
Na história a palavra Exú ou Èsù como escrita originariamente na língua Yorubá (língua nigero-congolesa do grupo linguístico  benue-congo, falada pelos iorubás) significa Esfera, e foi denominado como um Orixá, o da comunicação, além de ser o responsável por guardar aldeias, casas, cidades e até o axé. Importante ressaltar que existe uma diferença entre a denominação Orixá para entidade ou guia espiritual Exú.


De forma bem sucinta, vamos lembrar e concordar com o que é pregado por todas as religiões desde os primórdios: Deus é o Onipresente, Onisciente e Onipotente e tudo criou com a máxima perfeição, tudo com sua finalidade e utilidade e, respeitando este conceito, cabe a nós acreditar que o mistério Exú também foi criado por Ele que, além disso, atribuiu-lhe grandes responsabilidades para com o Universo.
Vejamos que o mundo também é composto por energias, e muitas são oriundas de ações e pensamentos negativos promovidos pelos seres humanos que ao serem emanadas acabam gerando um acumulo de energias baixas e pesadas para o Mundo que o torna muito mais propenso a guerras, desastres, violências, pestes, catástrofes, além das já existentes na atualidade.
Nesta mesma linha podemos entender que o Orixá Exú é o grande responsável por condensar e transformar estas energias a fim de que não haja tanta interferência na vida dos seres vivos e principalmente na Criação. Trazendo tudo isso para o campo religioso, a esfera de Exú seria a tronqueira da Criação.
Entrando no aspecto mais “terra” dos centros, terreiros ou tendas de Umbanda classificamse como Exús os espíritos desencarnados que são de extrema e fundamental importância para a religião, sendo também eles os condensadores e os transformadores das energias, vibrações e cargas espirituais negativas que são trazidas pela assistência, pela corrente mediúnica e até por espíritos que almejam adentrar aos trabalhos carregados de intenções prejudiciais.
Se não, vejamos: Por que o ponto diz:  “Sem Exú não se faz nada!´´?    Por que ele é o primeiro a ser oferendado? A ser saudado? A receber pedidos para guardar a porta? Exú, neste caso tem como principal atribuição, proteger os trabalhos da ação de espíritos do baixo astral,denominados zombeteiros e kiumbas que possam por em risco a corrente mediúnica bem como o bom andamento dos trabalhos. Mas não para por aí, pois se entende que Exú é neutro, ele não é do bem nem do mal, relembrando que sua hora é a meia noite, esta hora pertence ao dia que se finda ou ao novo que começa? Encruzilhada é a oportunidade de ir para direita, esquerda, atrás ou para frente, sua cor preta é a mais neutra possível e por isso concluí-se que a ação de Exú está totalmente subordinada à vontade de seu médium ou de quem venha a se servir do mistério.
É comum nas giras ou se preferirem nos trabalhos de esquerda ver-se Exú com seu jeito irreverente dando suas gargalhadas, bebendo sua aguardente, risos sarcásticos, mexendo com suas velas,  punhais e tridente trabalhando de forma caritativa, paciente, assertiva e principalmente sendo o grande responsável por arrancar espíritos do baixo astral, perturbações, cortando e desfazendo trabalhos e aflições da existência daqueles que o vem procurar,  de seus médiuns ou do próprio centro. Quantas vezes podemos ver Exú recomendando banhos, oferendas, trabalhos para melhorar a vida dos que dele se socorrem. Para os que não sabem, Exú também abre caminhos e protege contra inimigos encarnados e espirituais.
Será que mesmo praticando tanta caridade ele quer o mal?
Por outro lado vemos constantemente, seja em jornais, revistas, postes de luz, etc., propagandas oferecendo serviços de amarração para amor, resolução de problemas impossíveis, todos se utilizando do mistério Exú. Para compreender esta situação é necessário voltar algumas linhas acima e reler o que foi escrito: Exú é neutro, atua a partir da vontade e da evolução de seu médium, ou daquele que vai se socorrer do seu mistério para auxiliá-lo na sua existência.
Importante ser dito que estes prestadores de serviço estão se utilizando do mistério, não de forma religiosa, más sim de forma independente, visando interesses próprios.  E o fazem de forma pessoal porque o mistério não pertence a esta ou a aquela religião, o mistério pertence à Olorum. Porém se faz necessário ressaltar que a Umbanda é caridade, e religião é o caminho de se religar a Olorum, que torna incoerente religar-se a Deus e praticar a caridade com interesses próprios.
Por isso valorize e respeite este mistério tão valioso para Criação e principalmente para a Umbanda, pois somente desta forma eles também serão respeitados por outras religiões e, principalmente, quem sabe um dia deixarão de culpar o Mistério Exú por todas as desgraças acontecidas na vida de alguém ou no Mundo e até deixemos de ver em canais de televisão depoimentos de pessoas denegrindo, interpretando e aceitando Exú como diabo ou aquele que vai te prejudicar na primeira oportunidade que tiver.
Larôye (O bem falante, comunicador)! – Esta é a sua saudação.

Autor: R. Faccas (T.C.E.P.J.A.C. 7. P)