O QUE É MERECIMENTO?

Muitas vezes durante palestras ou giras ouvimos mencionar essa palavra, mais nem sempre a compreendemos totalmente, já parou para refletir sobre o que pode significar merecimento? Sorte é merecimento? Nossa vida é e sempre foi muito clara e transparente e acredite nada acontece por acaso. A sorte nada mais é do que uma bela colheita.
O nosso destino está em nossas mãos o tempo todo, durante toda nossa vida. Temos o livre-arbítrio de o alterarmos quando bem quisermos, pois uma coisa é nossa missão neste planeta, outra um pouco diferente é como a desempenhamos, com mais, ou menos sofrimento, isso é uma real opção. Obviamente o destino pode sim ser alterado, basta uma escolha, um pensamento. Porem o que não se muda, nem se altera é o aprendizado. É com ele que evoluímos.

Com certeza você já teve questionamentos do tipo: as pessoas têm sorte? Não. Elas recebem o que merecem! Se algum dia você comprou algo de algum repassador, mesmo sabendo que aquilo foi tirado de alguém de forma injusta, ali você acabou de criar uma energia de perda, não importa o preço que lhe tenha sido oferecido, é roubado, não te serve. Todos os objetos possuem energia, foram pensamentos que os contaminaram ou os iluminaram e com isso sua vida começa a ficar atrapalhada. Para merecermos ter uma vida melhor e sem tantos percalços, devemos esperar menos das outras pessoas e começar a cobrar mais de nós mesmos, produzir boas energias e praticar bons princípios. Passemos a acreditar que tudo começa e termina em nós mesmos, nada é criado pelos outros, se você proceder corretamente vai obter sucesso, ‘sorte’! Mas você realmente mereceu? Costumamos reclamar muito para reivindicar nossos direitos, mas dificilmente aplicamos em nós mesmos uma (auto) avaliação, um exame de consciência, para nos perguntarmos se realmente cumprimos nosso dever para merecer aquilo que reclamamos! Quantas vezes reclamamos a Deus, aos Orixás, as entidades de luz o porquê não conseguimos alcançar algo que tanto desejamos? Aquilo que muitas vezes reclamamos aos nossos pais, como filhos mimados, que se acham no direito de receber o que desejam sem ter feito esforço algum para merecê-lo! Normalmente aqueles que reclamam e gritam mais são os que merecem menos, para merecer não precisamos de muito; basta executarmos tudo com muito AMOR e muita FÉ, darmos o melhor de nós, sem questionar. Portanto, antes de reclamarmos por nossas frustrações, devemos merecer e ponto.

As leis morais e divinas nos alertam que a lei de causa e efeito (lei do retorno), está diretamente relacionada com o exercício do livre-arbítrio, durante toda a nossa jornada na terra. Portanto, para toda causa que provocamos existe um efeito diretamente proporcional àquilo que causamos, seja pelo bem ou pelo mal, são leis naturais aplicadas em duas realidades dimensionais, a material e a espiritual. Isso nos leva crer que o critério do merecimento tenha relação direta com o processo de reforma intima (moral) que o individuo esteja vivenciando na vida atual, já que, pelo senso de amor e justiça das leis divinas, na vida humana nada acontece por acaso e tudo tem uma razão de ser e existir, conforme a lei de causa e efeito somos hoje, a soma do que viemos acumulando ao longo de vidas passadas. As leis universais são inalteráveis, imutáveis, elas que garantem o funcionamento harmonioso da criação divina, o equilíbrio e sem elas o caos iria prevalecer.

Devemos entender que o livre-arbítrio é uma dadiva do criador, que nos permite fazer escolhas a todo o momento, nos da, a liberdade de escolher nosso caminho e com ele o tempo que levaremos para percorrê-lo. Portanto, somos totalmente livres. Os poderes da criação nos ama tanto que deixou em nossas mãos o poder da liberdade de escolha, acreditando que somos capazes de evoluir e de nos reintegrarmos ao todo, com total consciência de quem somos servindo amorosamente a luz e sendo felizes. O livre-arbítrio é então, cada um de nós decidindo a cada momento aonde quer ir, qual caminho seguir, o que fazer e com quem quer estar. Esse é o conceito de livre-arbítrio, uma das principais leis divinas que regem a vida neste plano, e nos ajuda a entender a responsabilidade que temos ao efetuar escolhas conscientes em cada momento de nossa existência pois, realizar escolhas conscientes, exige de nós a coragem de lembrar que cada atitude nossa trará obrigatoriamente, uma consequência. Essa é a grande questão que na maioria das vezes deixamos passar por despercebido, pois na maior parte dos casos nossas escolhas têm um fundo muito egoísta, vendo sempre o que é melhor para nós, sem nos darmos conta de que as pessoas com as quais convivemos, também serão afetadas por elas, direta ou indiretamente. O fato é que tudo o que fazemos gera uma consequência, toda ação gera uma reação das pessoas ou do universo e só depende de nossas decisões, para que o resultado (retorno) desta ação seja positivo ou negativo.

Muitas vezes colocamos sobre o outro a responsabilidade de nossas escolhas ou do caminho que escolhemos para nós. A realidade nem sempre corresponde aos nossos desejos, e aceitar isso é um passo fundamental para o crescimento, para a maturidade e para se alcançar um estado de equilíbrio interior. Nem sempre podemos resolver tudo sem que alguém saia prejudicado ou machucado, então pelo menos, que se resolva de forma que as consequências negativas se acontecerem, sirvam de aprendizado. E é assim, errando e acertando, caindo e levantando é assim que vamos aprendendo o que nos faz sofrer e o que nos faz feliz. O livre-arbítrio nos possibilita fazer coisas erradas ou certas. Precisamos realmente sofrer para aprender? Precisamos de alguém para amar para sermos totalmente feliz? O livre-arbítrio é o nosso direito de escolha, uma decisão sobre a quem queremos servir: o Deus que está na luz ou o Deus que está nas trevas. O nosso abençoado direito de escolha expressa diretamente a responsabilidade que temos de assumir, sobre nossas decisões e suas consequências, ele é universal e não uma particularidade apenas do planeta terra, todos os seres cósmicos universais o possuem de acordo com seu nível de evolução. Somos livres para escolher e os únicos responsáveis por nossas vitórias ou nossas derrotas!

“Enquanto você reza, vá fazendo!”

Por Murillo Folster, integrante da corrente mediúnica do Templo de Umbanda Caboclo Ubirajara.


Comentar com Facebook

Deixe uma resposta