Pontos Cantados Guardiões

Belo belo belo Tinini Lonan (4x)

(nome do exu ou dama) Tinini Lonan

Belo belo belo Tinini Lonan

 

Sua capa de veludo, quando veio deixou lá

Quando dava meia-noite (nome do exu ou dama) ia buscar

Ena Mogibá ê, Ena Mogibá ê, Ena Mogibá ê, Ena Mogibá ê

 

Balança a figueira, balança a figueira

Balança a figueira, quero ver exu cair

Cadê (nome do exu ou dama) que não vejo ele(a) aí?

 

Unhas grandes, braços fortes

(nome do exu ou dama) vem trazendo a sorte

 

Quem tirou, quem tirou o que eu deixei lá?

Eu deixei, eu guardei lá em cima do congá

Você abusou e eu falo sério, você se meteu com diabo velho (bis)

Moleque zombeteiro, você zombou

Pegou minha cachimba e depois fumou

Bebeu do meu marafo, espalhou minha farofa

Você vai me pagar, eu vou te dar uma coça, olha aí!

Quem tirou, quem tirou o que eu deixei lá?

Eu deixei, eu guardei lá em cima do congá

Não brinca com santo, moleque atrevido

Te dou um castigo, você bem merece

Pego a palmatória e dou na palma da mão

Você vai rastejar que nem cobra no chão

Sou Exu, trabalho no canto, quando canto desmancho quebranto

Sete cordas tem minha viola, pomba gira de lenço e cartola

Viola é tridente, cigarro é charuto, bebida é marafo

Sou Sete Porteiras, derrubo inimigo com peito de aço

 

O sino da igrejinha faz belém, blém, blóm (bis)

Deu meia-noite, o galo já cantou

Sete Porteiras que é o dono da gira, oi corre a gira que Ogum mandou (bis)

 

Cambono segura a cantiga que está chegando a hora (bis)

Saravá todos os caminhos, Sete Porteiras que manda agora (bis)

 

Quero ver correr, quero ver balancear (bis)

Chegou seu Gira Mundo, na Umbanda vai girar (bis)

 

Portão de ferro, cadeado de madeira (bis)

Na porta do cemitério, quem manda é Exu Caveira (bis)

 

As portas do inferno estremeceu

Todos correram para ver quem era

Eu dei uma gargalhada lá na encruzilhada

às pomba giras e o compadre Lúcifer

 

Com faca de dois gumes não convém brincar (bis)

Exu da Capa Preta, vamos respeitar (bis)

 

Lua, oi lua, nós também somos da rua (bis)

Quem cometeu alguma falta, peça maleme à Tranca Ruas (bis)

 

Eu amei alguém, e esse alguém não ama ninguém

Eu amei o sol, eu amei a lua

E na encruzilhada eu amei seu Tranca Ruas

 

Soltei um pombo lá na mata, na pedreira não parou (bis)

Mas foi parar na encruzilhada, seu Tranca Ruas quem mandou (bis)

Tava curiando na encruza, quando a Umbanda me chamou (bis)

 

Exu Tiririri é o rei da encruzilhada

Toma conta e presta contas no romper da madrugada

 

Ó meu senhor das almas, me diz quem vem aí (bis)

Olha lá que ele é exu, é exu Seu Tiriri (bis)

 

Não era meia-noite quando o malvado chegou (bis)

Vestido de branco, dizendo que era doutor (bis)

Mas ele era exu, dizendo que é doutor

Mas ele era exu, exu Seu Marabô

Quem nunca viu, venha ver, caldeirão sem fundo ferver (bis)

Deu meia-noite, cemitério treme, catacumba racha, defunto geme (bis)

 

Qui quá quá quá, oi que linda risada que exu vai dar (bis)

Oi que linda risada que exu vai dar

Oi que linda risada qui quá quá quá

 

Exu fez uma casa sem porteira e sem janela (bis)

Ainda não achou morador pra morar nela (bis)

João Caveira é homem bom, toma conta da porta e do portão (bis)

Unhas grandes, braços fortes, exu é um moço irmão da morte (bis)

 

Dizem que exu só bebe só e devagar

Mas é que ele é exu, ele é Seu Sete Encruzilhadas

Seu Sete tem macumba e não tem mistério

E mora lá na encruza, lá no cemitério

A sua gira é forte, não tem catuaba

Depois da hora grande ele vai girar na encruzilhada

 

Exu Rei da Sete Encruzilhadas (bis)

Salve o povo de Umbanda, sem exu não se faz nada (bis)

 

Ê Exu, ele pisa no toco de um galho só (bis)

Ele pisa no toco, ele pula no galho, o galho chacoalha e exu não cai, oi canga

 

Comigo ninguém pode, mas eu posso com tudo (bis)

Na minha encruzilhada, eu sou Exu Veludo (bis)

 

Quem voa baixo sempre voa, quem sobe muito quebra a asa (bis)

Cuidado com sua mironga, senhor, quem vai chegar é Exu Brasa