Pontos de Caboclo

Oi chama ele, chamá
Seu (nome do caboclo) na aldeia

 

Caboclo, caboclo, venha correr sua gira
Caboclo, caboclo, em nome da Virgem Maria
Caboclo, caboclo, sentinela de Oxalá
Se ele é filho de Oxóssi ele vem pro terreiro, ele vem trabalhar (bis)

 

Estrela D’Alva é sua guia, Ubirajara é caboclo valente (bis)
Ubirajara mora lá na mata, lá na grota funda, lá no fim do mundo (bis)

 

Caboclo bom, caboclo bom, ele não bambeia
Caboclo bom, caboclo bom, ele vem da aldeia
Caboclo bom, caboclo bom, ele não bambeia
Caboclo bom, caboclo bom, ele vem da aldeia
Eu vou pedir à Virgem Maria
à esses caboclos a nossa estrela guia

 

Ô juremê, Ô juremá
Suas folhas caiu serena, Jurema, dentro desse congá
Salve São Jorge guerreiro, salve São Sebastião
Salve a cabocla Jurema, salve a sua proteção

 

Oxalá chamou e já mandou buscar os caboclos da Jurema
Pro seu juremá, Pai Oxalá é o rei do mundo inteiro
E já deu ordens pra Jurema chamar seus capangueiros
Chamai, chamai, minha cabocla Jurema os seus guerreiros
Essa é a ordem suprema

 

Caboclo roxo da pele morena, ele é Oxóssi caçador lá da Jurema (bis)
Ele jurou e torna a jurar seguir os conselhos que a Jurema vai lhe dar (bis)

 

Caboclo da pedra preta, ele gosta de ver tinir
Quem não gosta de Umbanda, o que vem fazer aqui?
Auê, auê, caboclo, auê, auê, eu quero ver
Auê, auê, caboclo, trabalha que eu quero ver

 

Vermelho é a cor do sangue do meu pai, e verde é a cor das matas (bis)
Oi saravá seu Rompe Mato da Jurema, oi saravá a banda em que ele mora (bis)

 

Vestimenta de caboclo é samambaia, é samambaia (bis)
Saia caboclo, não me atrapalha, saia do meio da samambaia (bis)

 

Olha a mata quebrando, os caboclos arriando, os caboclos arriando(bis)
Oi quem tem seus guias deixa os guias trabalhar (bis)
Cipó deu laço, desembaraça caboclo (bis)

 

Tava na beira do rio sem poder atravessar (bis)
Chamei, chamei, pelos caboclos, chamando Tupinambá (bis)
Tupinambá é guerreiro, Tupinamba guerreá

 

Foi numa tarde serena, lá na mata da Jurema eu vi os caboclos passar
Quiô, quiô, quiô, quiô que era
Sua mata está em festa, saravá seu Sete Flechas, ele é o rei da floresta

 

Atira, atira, eu atirei, no gambá vou atirar (bis)
Veado no mato é corredor, Oxossi na mata é caçador (bis)
Oi caçador na beira do caminho, oi não me mate essa coral na estrada
Ela perdeu sua choupana, caçador, foi no romper da madrugada

 

Seu Rompe Mato coroou seu Sete Flechas na floresta
E nesse dia toda a mata foi-se uma cidade em festa
E os caboclos se enfeitaram com as folhas da Jurema
E nesse dia foliaram pra saudar Umbanda e Odé

 

Oxóssi é rei no céu
Oxóssi é rei na terra
Ele não desce do seu sem coroa, sem sua muamba de guerra

 

Caboclo não tem caminho para caminhar (bis)
Caminha por cima das folhar, por baixo das folhar, em todo lugar (bis)

 

Se ele é Oxóssi e mora lá nas matas
Ele é caboclo em qualquer lugar
Ele não apanha as folhas da Jurema sem ordem suprema de pai Oxalá

 

Oxóssi assoviou pra passar no maeta (bis)
Oi pra falar com Ogum Megê, mensageiro de Oxalá

 

Jurema, Jurema, aonde está seu juremá (bis)
Aonde a lua clareia, Jurema, eu vi seus capangueiros passar (bis)

 

Oi seu Sete Flechas, quando vem da mata, ele traz na cinta uma cobra coral (bis)
É uma cobra coral, oi é uma cobra coral (bis)

 

É hora, é hora, é hora do calendar é hora (bis)
É hora do calendar, é hora de Deus, amém
Sete Flechas vem a gora e seu mano vem também

 

Aqui nessa aldeia tem um caboclo que ele é real
Ele não mora longe, mora aqui mesmo nesse cazuá

 

Oke, oke, caboclo
Seu Mata Virgem é da raiz da orucaia
Mas olha que lindo caçador naquela mata onde a coral piou

 

Ele é filho de Umbanda, ele vem lá do Oriente
Salve o Caboclo da Lua, salve Deus Onipotente
Salve o Caboclo da Lua, que é fé e proteção
Salve o Caboclo da Lua, que é Oxóssi, é São Sebastião

 

Quanto tempo que eu não bambeio, hoje eu vim pra trabalhar (bis)
Sou Caboclo Samambaia, vim aqui pra trabalhar
Sou Caboclo Samambaia, vim aqui pra sarava

 

Lá na mata piou, piou (bis)
O rei da mata chegou
Lá na mata piou, piou (bis)
Oxóssi é rei da mata, é vencedor de demanda
É orixá consagrado, coroado na nossa Umbanda

 
E olha a folha do coqueiro, olha lá
Se meus caboclos forem embora eu vou buscar

 

Em cima daquela terra, eu vi pedra rolar (bis)
Eu vi pedra rolar, vi caboclo balançar

 

Caboclinha da Jurema, onde é que você vai?
Vou à festa de Odé, no terreiro do meu pai
Na Aruanda, na Aruanda ê, na Aruanda
Na Aruanda ê, caboclinha de pemba, Aruanda
Vai ter doce pras crianças, batuque pros Orixás
Vai ter flor pra Iansã, perfuma pra Iemanjá
Na Aruanda, na Aruanda ê, na Aruanda
Na Aruanda ê, caboclinha de pemba, Aruanda
Fui até a cachoeira visitar mamãe Oxum
E depois firmar meu ponto, cabocla, pro meu pai Ogum
Na Aruanda, na Aruanda ê, na Aruanda
Na Aruanda ê, caboclinha de pemba, Aruanda

 

Um grito na la mata ecoou, foi seu Pena Branca quem chegou (bis)
Com sua flecha, com seu bodoque, Seu Pena Branca vem nos ajudar (bis)

 

A Jurema é muito linda, com seu capacete de penas
Chama a Jurema, chama a Jurema
Chama a Jurema pra salvar filhos de pemba

 

Ele atirou, ele atirou e ninguém viu (bis)
Seu Pena Branca é quem sabe aonde a flecha caiu

 

É bonito a gente ver mata seca florescer
É bonito a gente ver os caboclos trabalhar
Sete reis, sete coroas, sete rainhas do mar

 

Se a coral é sua cinta, a jibóia é sua laça (bis)
Oi quizumba, oi quizumba, oi quizumba ê
Caboclo mora na mata

 

Tupinambá é ganga na macaia
Tupinambá, ê ê, Tupinambá
Tupinambá, guerreiro de Oxóssi
Tupinambá, ê ê, Tupinambá
Tupinambá, vem defender seus filhos
Tupinambá, ê ê, Tupinambá
Só não apanha as folhas da Jurema
Sem ordem suprema do pai Oxalá

 

Urubatão da Guia, Jurema chorou (bis)
Por esse mundo afora, Jurema quem chora, Urubatão chegou (bis)