Por que saudar?

Muitas pessoas perguntam o que significam e o motivo pelo qual fazemos as habituais saudações quando chegamos ao terreiro.
A assistência, médiuns iniciantes e até mesmo alguns mais antigos têm muitas duvidas sobre o assunto e às vezes acabam copiando gestos de outras pessoas ou fazendo tudo no automático.
Na realidade este ato de saudar quando se entra em um terreiro deve ser feito com muito respeito e, principalmente, com muita sinceridade pois neste momento estaremos saudando as Forças que sustentam aquela casa, todos os trabalhos realizados ali e o próprio médium. É por isso que é bom prestar bastante atenção neste ato aparentemente simples mas que faz toda a diferença, e é por isso também que acho importante entendermos um pouco mais sobre ele. Vamos lá?

Primeiramente, logo na entrada do terreiro, devemos saudar as Forças dos Senhores Guardiões e das Senhoras Guardiãs assentadas na Tronqueira.
É neste momento que agradecemos a permissão de nossa entrada naquela Casa Santa, o recolhimento e encaminhamento de espíritos negativos que é realizado no ato desta “simples” saudação, agradecemos também a guarda, a força e a proteção que Eles realizam.

Em um segundo momento Saudamos o Congá e o Altar, local Sagrado de um Centro que deve ser respeitado pois é onde se realiza a grande troca de energia, vale lembrar que as Irradiações Divinas estão sendo projetadas sobre todos aqueles que reconhecem o Poder Divino. O ato de “Bater Cabeça” não deve ser um costume mas sim uma atitude de reverência diante do Sagrado,  afinal de contas, é nessa hora que comungamos com nossos pais e mães Orixás pedindo que mantenham nossos olhos e ouvidos fechados para o ciúme, o egoísmo, a inveja, a intriga e a curiosidade que alimenta a fofoca, mas que mantenham nossos corações e mentes abertos para o amor, a fé, a compaixão, a esperança, o discernimento, a sabedoria e a paciência, que mantenham também nosso espírito purificado e iluminado para que assim possamos ser bons instrumentos de Deus, da Lei e da Justiça. É o momento de agradecer por essa oportunidade única e excelsa que temos de estar diante do Poder Divino.

Feito isso o médium deve saudar e tomar a benção de seu Pai ou Mãe Espiritual, ou de ambos se for o caso.
Quando isso ocorre, o filho está reconhecendo seu Pai Espiritual como o detentor dos conhecimentos da Lei de Umbanda e como seu orientador, aquele que o conduzirá, sustentará e protegerá dentro da doutrina religiosa umbandista.
Tomar a Benção é um procedimento de reconhecimento de Grau e de respeito à hierarquia, uma vez que o Pai Espiritual é a voz, a força, o representante e o intermediário dos Orixás aqui no plano material. É escolhido e preparado pelas próprias Forças Divinas pois, se assim não fosse, não conseguiria sustentar uma gira ou realizar um desenvolvimento.
Cada Centro tem a sua forma de saudar o Pai Espiritual, mas a saudação mais comum é aquela em que o médium toma entre suas mãos a mão de seu Pai Espiritual, a beija respeitosamente, leva-a até a sua testa e a beija novamente. Este ato representa que o médium reconhece aquelas mãos como sagradas e o seu desejo de que estas mãos preparadas o conduzam aos serviços de Deus ajudando-o a adquirir conhecimentos sagrados. No momento em que o médium pede “Daí-me, Pai, a sua benção” ele está saudando acima de tudo a Trindade Divina e sendo abençoado por Olorum, por Oxalá e por Ifá.
As mesmas atitudes e saudações devem ser realizadas ao sair do Terreiro, uma vez que após todo um trabalho estaremos saindo do sagrado em direção ao profano.

Um excelente final de semana e uma otima gira a vocês, muito Axé!