PROCRASTINAR O SAGRADO!


Comecemos o texto, primeiramente explicando o significado de Procrastinar.

“Procrastinar é o ato de adiar algo ou prolongar uma situação para ser resolvida depois.

A procrastinação é um comportamento considerado normal ao ser humano, no entanto pode ser muito prejudicial quando começa a impedir o funcionamento de rotinas pessoais ou profissionais.

O verbo procrastinar é utilizado no sentido de negligenciamento de atividades, ou seja, quando um trabalho não recebe a devida atenção e importância que deveria, sendo deixado de lado para a produção de outras atividades menos importantes, por exemplo.”

Pela explicação dada acima, creio que já saibam do que se trata esse texto.

Estou na espiritualidade desde que nasci. Tive o privilégio de ser ninada em colo de preto velho, de brincar com um Erê enquanto carregava a inocência e alegria deles dentro de mim. Tive o privilégio de conhecer esse mundo enquanto também me descobria como ser humano.

Iniciei na Umbanda com 15 anos de idade, ainda adolescente e sem maturidade o suficiente, mas como a criação grita, minha mãe (in memoriam) nunca permitiu que eu procrastinasse o que era do sagrado. Eu escolhi assumir isso em minha vida, sendo assim, iria assumir todas as responsabilidades, deveres e rituais (sim, rituais são a base da nossa religião), estivesse eu cansada, ou qualquer coisa, minha mãe exigia que eu cumprisse com tudo aquilo que fazia parte da Religião.

Na época era talvez muito nova, infantil, mas o fato é que, eu não poderia ser mais grata a ela, por ela ter me ensinado o quanto a religião e seus cultos são importantes e sagrados.

Confesso que fui sim privilegiada por ser filha de quem sou, mas tenho plena consciência, de que todos os que pertencem a corrente mediúnica da nossa casa espiritual, tem a mesma chance que eu tiver de respeitar, entender e amar a nossa religião, uma vez que somos abençoados por ter um sacerdote muito disposto a nos ensinar a compreender à necessidade da doutrina, do culto, do respeito e da FÉ (ah a fé, palavra tão pequena, que carrega tanto poder).

Mas a grande questão (ou problema) é, o quanto os médiuns estão prontos verdadeiramente, para fazer parte disso, para ser parte de uma casa de verdade. O quanto as pessoas hoje em dia estão dispostas a deixar o mundano para se entregar ao sagrado?

Antes que se antecipem em pensar que é uma espécie de lavagem cerebral e que queremos que todos sejam santos, eu já explico que não! Não é esse o propósito. O propósito maior, sempre, é a evolução. É ajudar aos que querem, a se lapidarem, despir-se da casca grosseira que existe, para encontrar o que é valioso dentro de si. O que queremos é que não se deixem levar por frivolidades, banalidades ou qualquer outra coisa que atrapalhe a evolução.

Todos tem o direito de espairecer a mente, se divertir um pouco, mas afinal, pra que viver para o mundo, se não pertencemos a ele? Pra que lutar e batalhar apenas por bens materiais, se a única coisa que restará da gente é uma matéria, que irá apodrecer e será comida por vermes (não se espantem com essa informação…. é um fato, e todos deveriam saber).

O que eu quero passar com tudo isso? Deem valor ao que realmente tem valor. Lembrem-se sempre que a passagem nesse plano é breve, e não devemos gastar tempo e energia com coisas que não nos trazem evolução, ou pior, que atrapalhem a nossa evolução. Não deixe o sagrado pra depois.

Se você não se propôs e nem teve interesse em fazer parte de uma religião, não tem problema, mas busque ser uma pessoa melhor sempre, independente de sua fé. E para você que escolheu sua religião, seja ela qual for, escute seu sacerdote, busque fazer parte verdadeiramente da religião, buque viver o seu sagrado, coloque a sua evolução como prioridade.

Não tenha preguiça de evoluir, de estudar, de se melhorar. Não seja negligente com sua religião, não seja negligente com você mesmo. Não abra porta para negatividade. Faça a sua parte por você, não para e nem por ninguém, não busque reconhecimento ou elogios, não seja vaidoso e nem orgulho de seus feitos. Pare de ficar observando se o próximo está fazendo ou deixando de fazer algo, não se compare. O problema do próximo é problema do próximo, então pare de julga-lo, uma vez que você também desconhece os problemas que ele possui. Se for de sua competência, e se você puder, ajude. Caso contrário, não maldiga nem atrapalhe.

Não se percam por coisas pequenas, parem de olhar o que os outros estão fazendo e deixando de fazer. Tenham um propósito nesse mundo, só assim pode se encontrar um sentido para viver verdadeiramente, sem que a nossa fé se abale, independente do que aconteça.

Cada ser humano é um individuo único, um universo próprio. Respeite as diferenças, e torne-se um universo de luz, fé, amor. Propague o bem.

Não procrastine o sagrado.

Por Giovanna Ravanini, Mãe Pequena do Templo de Umbanda Caboclo Ubirajara.


Comentar com Facebook

Deixe uma resposta