Reforma Íntima 08/10/11

Muito se tem falado em reforma intima, mas poucos sabem o que é, e menos ainda procuram praticá-la. É a transformação do homem velho, carregado de tendências e erros seculares, no homem novo, lutando pela implantação dos ensinamentos do Divino Mestre, dentro e fora de si.
É a luta de cada um de nós para melhorar-se, lapidando do nosso “eu” perfeito, criado por Deus, as arestas do orgulho, da vaidade, do ódio, do egoísmo, etc., que acumulamos em nós no decorrer de nossa escalada evolutiva.
O momento é agora e já, não há mais o que esperar. O tempo passa e todos os minutos são preciosos para as conquistas que precisamos fazer no nosso intimo.
De modo geral, vivemos todos em função dos impulsos inconscientes que se agitam dentro de nós, e que manifestamos sem controle. Somos todos vitimas de nossos próprios desejos mal conduzidos, e não nos perguntamos se temos ou não o direito de adquirir ou concretizar aquela aspiração. Queremos, e isto basta, custe o que custar, contrariando ou não a liberdade dos outros.
Agindo deste modo, interferimos na vontade dos que nos cercam, e, que na maioria das vezes, não se subordinam aos caprichos, desencadeando assim, uma sucessão de violências, agressões, discussões, ódios, desajustes, conflitos, ansiedades, tormentos e infelicidades, que a nós retornam pela força da Ação e Reação, ou seja, todos os nossos atos e pensamentos que emitimos, bons ou maus, a nós retornam.

Conseguimos ver constantemente os erros e defeitos dos que nós rodeiam, mas somos incapazes de perceber e reconhecer nossos próprios erros, que na maioria das vezes são mais ou maiores do que os dos outros. Procuramos sempre justificativas ou desculpas para nos isentar de culpas, colocando-nos na posição de vitimas, defendendo nossos direitos ou amor próprio ultrajados.
Quanta falsidade e quanta covardia!!! Temos medo de despirmos as nossas defesas e nossas mascaras, e encaramos sem desculpas, os nossos erros, nossos vícios e nossos defeitos. Temos medo de iniciarmos a luta pela transformação, pois ela é árdua, e exigirá de nós muito esforço e muito sofrimento. É tão mais fácil deixar-se levar e continuar agindo como até agora!!!
Como disse Allan Kardec no evangelho Segundo Espiritismo, cap. XVII, “reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelo esforço que empreende no domínio de suas más inclinações.” Poderemos conhecer todas as ciências, compreender todas as filosofias, conquistar todos os benefícios materiais em nossa vida, angariar todas as amizades, desfrutar de todo reconhecimento humano e receber as maiores homenagens, mas se não tivermos realizado nossa Reforma Intima, muito pouco ou quase nada de tudo isso adiantará para nós, pois não teremos feito nada pelo nosso adiantamento moral, que é a única coisa que conta para a evolução do espírito.
Devemos descobrir em nós, por mais disfarçados que estejam, os vícios como o fumo, o álcool, o jogo, os tóxicos, a gula, e os abusos sexuais, e os defeitos como o orgulho, a vaidade, a inveja, o ciúme, a avareza, o ódio, a vingança, a agressividade, a maledicência, a intolerância, a impaciência e a ociosidade; e lenta, mas progressivamente irmos realizando transformações em nosso intimo, dominando-os.
Estas transformações modificam as estruturas magnéticas do nosso períspirito e ampliam as potencias de nosso espírito. A libertação dos vícios realiza uma higienização nestas estruturas, removendo as impregnações de fluidos densos (miasmas) que consumiam os fluidos vitalizantes que mantém o equilíbrio orgânico e espiritual. Nosso campo energético passa então, a vibrar mais intensamente, restaurando a saúde e equilíbrio emocional.
Libertando-nos dos vícios, deixamos de alimentar as entidades que usufruíam das mesmas sensações e prazeres, a nós ligados por processos de simbiose e vampirização.
Em conseqüência, libertamo-nos dessas influencias que nos transmitiam depressão, mal estar, desanimo, angustia e irritação. Deixamos de ser fantoches das vontades e desejos de espíritos inferiores, e começamos a vibrar em sintonia com o Astral Superior, exercendo domínio sobre nós mesmos.
Tecemos assim, uma túnica magnética ao redor de nós (uma aura positiva), pelo nosso esforço de renovação constante. As emissões de amor no serviço ao próximo, nas obras assistenciais, na tarefa mediúnica, nas doações de energias fluído-dinâmicas, nas explanações evangélicas, na orientação à criança e no amparo ao velho, são nossas oportunidades de exercitar e ampliar as nossas possibilidades, solidificando o trabalho de Reforma Intima.
Reforma intima sem serviço cristão é uma obra interrompida que parou nos alicerces. O trabalho que se inicia no intimo das criaturas, transborda espontaneamente para o exterior como conseqüência natural de sua continuidade e ampliação.
Precisamos aprender a eliminar os nossos vícios e a substituir os nossos defeitos pelas virtudes correspondentes. Em lugar de:
Orgulho… Humildade
Inveja… Resignação
Avareza… Generosidade, beneficência
Remorsos… Compreensão, tolerância
Agressividade… Brandura, pacificação
Ociosidade… Dedicação, devassamento
Impaciência… Paciência, mansuetude
Negligencia… Vigilância, abnegação
Vaidade… Modéstia, sobriedade
Ciúme… Sensatez, piedade
Ódio… Afabilidade, doçura
Vingança… Perdão
Maledicência… Indulgencia
Intolerância… Misericórdia
Personalismo… Companheirismo, renuncia.
A abnegação engloba todas as virtudes, e ao lado de todas elas praticadas, exerce-se tambem a vigilância.

Aprendamos, com o espírito Lancellin, a orar pela nossa Reforma Intima:

PRECE PARA TI MESMO
Deus… Sou eu que te falo!
Eu me proponho a iniciar minha reforma intima, já sabendo que ela trata de assuntos altamente incômodos à minha personalidade.
Sei quanto temos de nos esforçar, como médicos de nós mesmos, fazendo diariamente a nossa cirurgia mental, de modo que ela restabeleça o equilíbrio espiritual em nossos corações, juntamente com os nossos sentimentos.
Conheço as minhas falhas, e sei que meus pés tem pisado em terreno que não é próprio aos pés de um verdadeiro discípulo de Jesus.
No entanto, estou disposto a mudar de direção, para fazer a tua vontade e não a minha, em todos os objetivos de servir, que começam a nascer em meu intimo.
Quero confiar em teu amor…Ajuda-me
Quero sentir a tua presença em minha vida…Ajuda-me
Quero facilitar o livre transito do amor no meu mundo interno… Ajuda-me
Divino Senhor! Não deixes que eu ocupe o tempo precioso, vendo os defeitos alheios. Não permitas que a minha boca sirva de escândalo para alimentar a vingança, o orgulho e a vaidade. Livra-me do ambiente da discórdia e da maledicência.
Deus de eterna bondade! O teu amor conforta-me o meu coração! Eu te peço que me ajudes a melhorar, por que somente tu sabes das minhas enfermidades morais.
Estou disposto a operar-me no mesmo hospital que vivo diariamente, onde o maior enfermo sou eu. Mas quero que me ajudes em tal disposição, para fechar meus olhos aos erros de quem anda comigo no mesmo caminho, para poder ver com clareza o que tenho de pior, para que o bisturi da boa vontade trabalhe em mim, sem impedimentos da vaidade e do amor próprio.
Ajuda-me a ajudar!!!
Senhor!!! Eu te peço para lembrares, ao ler paginas de autoeducação, do que tem de ser corrigido no meu caminho, agradecendo aos outros pelos exemplos que me ofertam no silencio da própria vida.
Lembra-me, meu Deus, para que eu não imponha as minhas idéias os corações dos que me cercam e vivem comigo!
Lembra-me, Senhor, para que eu adquira a obediência e a autoeducação. E quando eu tiver cultivado alguma virtude, que eu não critique quem ainda não teve tal oportunidade.
Sei que o amor não ofende, não maltrata, não enxovalha, não fere e não exige. Porem, na hora em que o bem estar invade o meu coração, pela tua misericórdia, eu faço tudo isso, pelo prazer de diminuir o próximo, exaltando-me naquilo que não possuo.
Quero te pedir para me ajudar a combater o egoísmo que veste, dentro de mim, variadas roupas, disfarçando-se em modalidades diversas para que eu me engane a mim mesmo, deixando imperar o orgulho!
Ajuda-me, Senhor, a ajudar a mim mesmo, na escala em que permaneço, sem ofender os outros e sem diminuir a quem quer que seja.
Abençoa-me, e a todos, mostrando-me o que devo fazer, sem desculpas, dentro de mim mesmo.
Que assim seja!