NA UMBANDA VOCÊ RECEBE?

Certa vez ao sair da faculdade, numa roda de colegas conversando, surgiu o delicado assunto: religião! E um foi perguntando ao outro sobre sua religião… uma disse espirita, outro católico e quando a pergunta chegou até mim, eu disse: Sou Umbandista! …aquele famoso silencio tomou conta do ar durante alguns segundos, chega até ser um pouco engraçado comentar isso, pois para mim se tornou algo tão natural.

E logo em seguida ouvi uma pergunta: Mas, você recebe? Alguém me questionou, parei por um instante para entender melhor o que acabara de ouvir, refleti instantaneamente sobre as palavras ditas naquele momento e respondi: SIM, EU RECEBO SIM!

Continue lendo

TER RELIGIÃO

Religião – No latim, religio designava “respeito”, “reverência”. A palavra deriva de relegere, em que re-, “de novo”, está associado ao verbo legere, “ler”, abrigando o sentido de “tomar com atenção”. Uma pessoa vive a religião quando cuida verdadeiramente de algo muito importante, algo que deve ser cultuado.

Ter religião é acreditar naquilo que você segue!

Continue lendo

HONRAR PAI E MÃE!

Honrar pai e mãe acima de tudo?

Desde pequenos nos é ensinado a honrar nossos pais, não responder, respeitá-los e sempre obedecê-los, e isso realmente é uma regra que devemos seguir por toda nossa existência. Mas… Como sempre, toda regra tem sua exceção.

E quando vivemos uma relação abusiva?

E não falo aqui somente de abuso físico, mas também de abuso psicológico, moral e emocional.

Continue lendo

Olhares cuidadosos

flor

Certa senhora procurou o Chico com uma criança nos braços e lhe disse:

– Chico, meu filho nasceu surdo, mudo, cego e sem os dois braços. Agora está com uma doença nas pernas e os médicos querem amputar as duas para salvar a vida dele. Há uma resposta para mim no Espiritismo?

Foi com a intervenção de Emmanuel que a resposta veio:

– Chico, explique à nossa irmã que este nosso irmão em seus braços suicidou-se nas dez últimas encarnações e pediu, antes de nascer, que lhe fossem retiradas todas as possibilidades de se matar novamente. Mas, agora que está aproximadamente com cinco anos, procura um rio,um precipício para se atirar. Avise nossa irmã que os médicos amigos estão com a razão. As duas pernas dele vão ser amputadas, em seu próprio benefício, para que ele fique mais algum tempo na Terra, a fim de que diminua a ideia do suicídio.

Retirado do livro “Chico, de Francisco” – de Adelino Silveira
Continue lendo