Água na Umbanda

cachoeira

– Para Kardec, a ação magnética produzida pelo agente encarnado (magnetizador), tanto pode produzir uma modificação nas propriedades da água, quanto no tocante aos fluidos orgânicos (ex: bile, linfa, líquido cefalorraquidiano, saliva, suco gástrico, sangue total, etc).

– O Espírito Lísias explica para André Luiz , que “… a água é veículo dos mais poderosos para os fluidos de qualquer natureza. Aqui (em Nosso Lar), ela é empregada sobretudo como alimento e remédio”.

– Para o Espírito Bezerra de Menezes, “A água, em face da sua constituição molecular, é elemento que absorve e conduz a bioenergia que lhe é ministrada. Quando magnetizada e ingerida, produz efeitos orgânicos compatíveis com o fluido de que se faz portadora”.
Continuar lendo

O encantamento das ervas

ervas_clip_image002

As ervas possuem poderes que agem em nosso corpo físico, mental e espiritual. Então, vamos conhecer algumas destas funções!

Alecrim – planeta Sol, elemento Fogo – lavar as mãos com chá de alecrim é uma verdadeira purificação.

Açafrão – planeta Sol, elemento Fogo – esfregar as mãos diariamente ao meio-dia com açafrão, certamente, o dinheiro virá.

Alho – planeta Marte, elemento Fogo – tenha uma cabeça de alho exposta em sua cozinha, isso o protegerá do mal.

Angélica – planeta Sol, elemento Fogo – tenha uma raiz de Angélica na bolsa, com certeza, seu amor virá rapidinho.
Continuar lendo

Águas na Umbanda

agua

Sua utilidade é variada. Serve para os banhos de amacis, para cozinhar, para lavar as guias, para descarregar os maus fluídos, para o batismo. Dependendo de sua procedência (mares, rios, chuvas e poços), terá um emprego diferente nas obrigações.

A água poderá concentrar uma vibração positiva ou negativa, dependendo do seu emprego.

A Água é um fator preponderante na Umbanda. Ela mata, cura, pune, redime, enfim ela acha-se presente em todas as ações e reações no orbe terráqueo, basta exemplificar com as lágrimas, que são água demonstrando o sentimento, quer seja positivo ou negativo.

Sabemos que três quartas partes do globo, do planeta que habitamos, são cobertas por água; 86,9% do corpo humano é composto de água ou carboidratos; mais ou menos 70% de tudo que existe na Terra leva água, tornando-se desta forma o fator predominante da vida no Planeta. Por esta razão, ela é utilizada na Quartinha, no copo de firmeza de Anjo de Guarda.
Continuar lendo

Altar ou Congá


Mais importante que ensinar a fazer um altar é explicarmos o fundamento que possui o altar e como ele funciona. Materialmente, quando olhamos um altar, vemos uma única “mesa” reta, ou em degraus, com vários elementos como velas acesas, pedras, ervas, estatuas, ferramentas de trabalhos ritualísticos, religiosos e magísticos.
O objetivo de se ter um altar em casa, ou num templo religioso, é que ele se torna um ponto de força poderoso para o local, funcionando como um portal, irradiador de energias positivas e facilitando o contato com esferas espirituais e dimensões paralelas a nossa, o que já é fundamento.
Velas: podemos dizer que as velas dão vida ao altar, assim como nosso Criador nos deu uma centelha divina que carregamos em nosso ser imortal. A vela tem o objetivo de captar as irradiações positivas que chegam de forma vertical (do alto) e as coloca na horizontal, assim nos deixando de frente com o Criador e as divindades que nos assistem.
As velas colocadas (firmadas) com amor e fé estabelecem um elo de ligação maior e abrem o acesso à dimensão divina habitada por entidades, assim como a vela do “anjo de guarda” fortalece a influência benéfica que o mesmo exerce sobre nós.

Estátuas: ajudam a elevar as vibrações mentais, pois ao olhar para elas começamos a nos lembrar da doutrina salutar e os ensinamentos associados, aumentando a conexão da pessoa com tudo o que a estátua representa, principalmente qualidades divinas do Criador.

Pedras: são condensadoras de energia e possuem vibrações únicas, podendo trazer a força da natureza e dos sítios aos quais foram retiradas para dentro do ambiente e têm ligação com encantados da natureza que trabalham para a harmonização das vibrações do planeta. Diferentes pedras trazem energias diversas, por isso devemos estudá-las para conhecê-las.

Água: é o principio da vida e da geração é o melhor veiculo para o trato interno de nosso corpo. Podemos pedir às divindades que nos assistem para fluidificarem a água durante um ritual feito com fé e amor, onde ela passa a absorver essências etéricas que muito nos ajudarão em todos os sentidos.

Toalha: serve para manter a pureza onde tudo se encontra. No geral, se utilizam toalhas brancas, por ser esta cor irradiadora de todas as outras. Se vamos direcionar todo um trabalho para uma divindade especifica, podemos adotar a cor para a toalha do altar também.

Flores e as Ervas: trazem as essências balsâmicas e curadoras, que agem tornando o ambiente muito mais “leve” e benéfico e fazem a ligação com o “espirito coletivo” ao qual fazem parte. Se bem tratadas, aumentam nosso beneficio em sua convivência.

Os utensílios religiosos e magísticos, como colares de contas, espadas, cálices, podem ser consagradas e ter no altar um local seguro para sua purificação, a partir de onde recebem uma força e sentido único.

Para concluir, podemos dizer que encontramos na natureza os mais potentes altares, que são os pontos de força da natureza os mais potentes altares, que são os pontos de força da natureza, altares naturais, consagrados às energias e forças do Criador que se encontram ali em maior quantidade, revelando a presença das divindades afins. São eles:
* O mar – um altar à vida e a Geração;
* Os Rios e cachoeiras – um altar ao amor, renovação e prosperidade;
* Montanhas e pedreiras – altar à justiça de Deus;
* Lagos – altar à tranquilidade e paciência da Mãe Anciã;
* Matas – altar à cura, busca ao conhecimento;
E todos, inclusive os campos abertos, são altares à fé.

Os elementais e a Umbanda


Em primeiro lugar, vamos entender o que seriam os Elementais da Natureza, a fim de compreendermos suas atuações nos trabalhos caritativos de cura espiritual, principalmente trazendo as benesses das ervas.
“Cada planta traz em sua essência um Espírito elemental; portanto o respeito para cada ser é importante, já que estamos aprendendo com eles; sempre deveremos os reverenciá-los”.

A MAGIA DO REINO VEGETAL

A magia do reino vegetal baseia-se nos Espíritos das plantas. Esses Espíritos, chamados de elementais, são ligados aos elementos da Natureza. Temos as Sílfides, que comandam as forças do Ar; as Ondinas, que reinam sobre as Águas; os Gnomos, que dominam a Terra, e as Salamandras, que comandam o Fogo. Todos eles têm a tarefa de proteger e cuidar do reino vegetal.
“Neste orbe denso que habitamos, podemos traçar duas linhas demarcatórias, separando planos de atividades espirituais diferentes: a dos seres elementais e a dos Espíritos humanos. Esta demarcação é um simples recurso de objetivação do assunto, para facilitar sua compreensão, nada havendo de rígido, delimitado, no espaço, porque tudo no Universo se interpenetra e as separações desta espécie são sempre simplesmente vibratórias. Assim, o plano da matéria física possui vibração mais lenta que o da matéria etérea e, dentro do mesmo plano, a mesma lei se manifesta, separando os sub-planos e assim por diante. Cada plano é habitado pela população espiritual que lhe for própria, segundo o estado evolutivo e a afinidade específica vibracional de cada uma; também é sabido que entidades habitantes de um plano não podem invadir planos de vibração diferente, salvo quando de planos superiores, que podem transitar pelos que lhes estão mais abaixo”. (O Reino dos Deuses” de G. Hodson)

OS ELEMENTAIS DA NATUREZA
Continuar lendo