O PODER DA PALAVRA!

24312581_1463415500442130_2133495689178544124_n

As palavras têm uma forte relação com os nossos pensamentos, com as nossas crenças e com a forma como nos vemos a nós mesmos. São armas poderosas ao nosso serviço. A capacidade de conseguirmos ganhar consciência do nosso diálogo interno, verbalizado ou silencioso, é extremamente importante para potenciarmos a nossa mente e consequentemente mudar a vida para melhor. Se você percebe que utiliza um discurso demasiado pessimista, negativista, derrotista e depreciativo, é hora de ponderar a possibilidade de melhorar o seu diálogo interno autocrítico.

Continuar lendo

O Vale dos Suicidas e Uma Real Descrição

4.2.7

Quando geralmente se fala de inferno, muitos cristãos consideram um lugar onde os maus estão unidos e confundidos perante uma mesma realidade, a de expiar eternamente suas faltas.
Na visão espírita temos a descrição do umbral, e suas diversas faixas, e uma delas é o Vale dos Suicidas, pertencente á uma das várias moradas do pai, que é destinada á receber espíritos que cometeram uma dos maiores crimes contra as leis da criação.
O crime contra a própria vida, que segundo a espiritualidade representa uma das maiores atitudes de egoísmo que o ser pode manifestar.
Nosso estudo se baseia na experiência de um espírito que relatou os desatinos de sua experiência pessoal, neste lugar.
Segundo o que foi descrito por ele, e depois por outros, sempre a chegada neste vale após o desencarne, o ser é sugado por uma força descomunal, para adentro de espécie de túnel, que se estreita a medida que o espírito é sugado, onde se deixa-se dominar pela terrível força que lhe proporciona, uma terrível sensação de tormento, desespero, dores horríveis como de brasas adentro das entranhas.
Apesar de ser uma viagem rápida, para o espírito participante, é como se fosse uma eternidade.
Segundo a descrição do personagem, após esta conturbada viagem, ele chega á um local de características primitivas, um lugar estranho, de atmosfera tenebrosa e fria, onde o ar e úmido em mistura com fétidos odores, que dificultam até a respiração.
Há também uma vegetação rasteira e morta, arvores secas, sem folhas, água suja pelas rochas que escorrem pelo chão, produzindo um fedor insuportável e sufocante.
Tenta acorda do que acha ser um pesadelo, agita-se, contorce-se todo, geme e grita enlouquecido pela falta de seus entes queridos, implorando por socorro, pois os sofrimentos são insuportáveis.
Na sua perambulação pela região nota-se um grande paredão rochoso que parece circundar todo aquele local, e um pântano que possível seria a fronteira para regiões alguma mais segura, ou seja; a saída.
Em sua tentativa de atravessar o pântano percebe que um formigamento do tipo como choque elétrico que aumenta mais e mais, a cada passo que dá para dentro do lago, ao ponto das dores se tornarem insuportáveis, tendo que retorna a margem.
Após tempos de solidão neste lugar, vagueando sem rumo, percebe-se a existência de cavernas, e quando nota-se ao seu redor, uma multidão de homens, jovens e mulheres em estados lastimáveis.
Pessoas até mesma completamente nuas, ou vestidas em trapos,como verdadeiros mendigos, cambaleados em gemidos de dores.
Segundo suas descrições podemos materializar o filme; a noite dos mortos vivos, numa fidelidade bem fiel.
Um destes seres apresentava todo mutilado, caindo aos pedaços, e mesmo seus pedaços caindo ao chão, o acompanhara para onde ia.
Um ser que por uma desilusão amorosa, ao ver sua companheira abandoná-lo por outro, em meio ao desespero se joga, sobre uma linha férrea, sendo atropelado por um trem.
Uma mulher que por uma vida de sofrimento na prostituição, sem êxito em poder mudar sua realidade, resolve dar cabo de si comum tiro na cabeça.
Desencarnou no vale, como mesmo buraco da bala, no mesmo local onde penetrara em seu corpo físico, e que segundo ela, lhe propiciava dores que nunca se acabavam.
Um rapaz que tinha a cabeça tombada sobre o ombro, que em vida sendo um rapaz de uma vida de excessos e frívola, após a deserdação pelo pai em seu testamento, tenta forjar um falso enforcamento que deveria falha na hora certa, para chamar a atenção da familia, fato que dera errado, sendo sugado para aqueles vale.
As descrições são muitas, em meio a tantas dores e sofrimentos alheios, nosso personagem quase chega ao ponto de enlouquecer.
Mesmo estando naquele local, ainda mantem seu orgulho, se considerando como vítima da situação, e após longos tempos de enclausuro naquele lugar, sua visão sobre sí, muda assim como de qualquer ser, daquele lugar também destinado a isso.
Estes espíritos são assistidos por missionários, que estão atentos a todas as atividades daquele plano, os espíritos que se conscientizan-se mais rápidos de suas situações, e de suas responsabilidades karmicas, são os que mais rápido saem da li.
O ser encontra consolo somente quando se arrepende de verdade, esse se arrepender não consiste em palavras, pois o intimo de cada um é a imagem real do ser, seus padrões vibratórios mudam assim como sua cor áurica.
E assim os benfeitores espirituais sabem que é a hora de intervir, nosso personagem aos poucos teve contato com seu benfeitor, naquele lugar,onde o julgava ser mais um hospede daquele inferno, e pela interação oral que acabou contribuindo principalmente para sua mudança de atitude.
A mensagem dos benfeitores e tanto da espiritualidade é; que independente da vida que levamos em que para alguns parece ser uma maldição e uma grande carga, temos que no conscientizar de nossas responsabilidade, pois está vida foi a que escolhemos antes de encarnar, portanto uma escolha nossa passar por essas tribulações.
A fé, a resignação deve sempre se fazer presente em nossos íntimos, pois se engana aquele que pensa que acabando coma própria vida, acha que estará acabando com todos os seus problemas, problemas estes geralmente sempre criados pelo próprio ser.
Pois estes mesmo problemas continuarão do outro lado da vida mais piores e pesados.
Valter J Amorim
Fonte: Da obra “No VALE DOS SUICIDAS” do médium Evaristo Humberto de Araujo
fonte:http://chega2012.blogspot.com.br/2012/07/o-vale-dos-suicidas-e-uma-real.html.

O MÉDIUM CAMBONO

umbanda

Os Cambonos são médiuns de sustentação, e são tão importantes quanto os médiuns ostensivos (de incorporação mediúnica) e os médiuns de couro (Ogans) nos trabalhos de um Templo de Umbanda; Assim como todos os médiuns, os cambonos devem seguir certos procedimentos e ter a dedicação e responsabilidade dentro do terreiro.

O Cambono, médium de sustentação, é aquele trabalhador, com mediunidade ostensiva ou não, que deve estar presente em todos os trabalhos, mas que não participa diretamente do fenômeno, nem dos procedimentos de incorporação mediúnica para atendimentos.

Como o próprio nome diz, embora não esteja envolvido no fenômeno ou na assistência, faz a sustentação energética do trabalho, mantendo o padrão vibratório elevado por meio de pensamentos e sentimentos elevados.

Ao contrario do que se pensa, os médiuns cambonos de sustentação são tão importantes quanto os médiuns de incorporação, pois são eles que ajudam a garantir segurança, firmeza e proteção para o grupo e para o trabalho, enquanto médiuns de atendimento fazem sua parte e desenvolvem o trabalho assistencial.

Além disso, são eles também que ajudam os médiuns de incorporação, como já foi escrito linhas acima. Considerando esse papel fundamental, podemos listar alguns requisitos importantes para os médiuns cambonos:

RESPONSABILIDADE, tanto quanto qualquer médium, o cambono precisa conhecer a mediunidade e tudo que diz respeito ao trabalho com a espiritualidade e as energias humanas, a fim de poder auxiliar eficientemente o dirigente do Templo.

FIRMEZA MENTAL E EMOCIONAL, como é responsável pela manutenção do padrão vibratório durante os trabalhos, o cambono deve ter grande firmeza de pensamento e sentimento, a fim de evitar desequilíbrios emocionais e espirituais que poderiam por a perder a segurança do trabalho e de seus irmãos de fé.

EQUILIBRIO VIBRATÓRIO, como trabalha principalmente com energias – que movimentam com os seus pensamentos e sentimentos, o cambono deve ter um padrão vibratório elevado, a fim de poder se manter equilibrado em qualquer situação.

COMPROMISSO COM A CASA, COM OS GUIAS E DIRIGENTE ESPIRITUAL, o cambono deve lembrar-se de que, mesmo não tomando parte direta nas assistências, tem alguns compromissos a serem observados:
Conhecer e observar os regulamentos internos a fim de segui-los. Explica-los, quando necessário, e faze-los cumprir, se for o caso; dando o exemplo na disciplina e na ordem dentro da casa; colaborando, sempre que possível, com as iniciativas e campanhas da instituição.
Evitar faltar ás giras sem motivos justos, e principalmente faltar sem avisar seu dirigente; procurando ser sempre pontual nos trabalhos e atividades relativas; procurando colaborar com a ordem e bom andamento do trabalho.
Com os guias espirituais: lembrar que eles contam com os cambonos para atuar no ambiente e nas energias necessárias aos trabalhos a serem realizados, os guias Espirituais devem ser sempre atendidos com presteza e respeito.

AUSENCIA DE PRECONCEITO, o cambono não pode ter qualquer tipo de preconceito, seja com os assistidos, encarnados ou desencarnados, seja com os dirigente, irmãos, etc…
Ele não está ali para julgar ou criticar casos que tem oportunidade de observar, mas para colaborar para que sejam solucionados da melhor forma, de acordo com a sabedoria e a justiça de Deus.

DISCRIÇÃO, o cambono nunca, jamais deve comentar ou relatar, dentro ou fora da casa, as informações que ouve, os problemas dos quais fica sabendo e os casos que vê nos trabalhos que participa. A discrição deve ser sempre observada, não só por respeito aos envolvidos, encarnados ou desencarnados, como também por segurança para que as entidades envolvidas nos casos atendidos não venham a se ligar a trabalhadores, provocando desequilíbrios.
Os comentários só devem acontecer diretamente ao Dirigente do Templo, quando o cambono perceber algo de errado.

COERENCIA, tanto quanto o médium de incorporação, o cambono deve manter a conduta sadia e elevada, dentro e fora da casa em que trabalha, para que não seja alvo de cobrança de obsessores, no intuito de desmascarar em suas atitudes e pensamentos.

Como vimos, as responsabilidades dos cambonos, médiuns de sustentação, são as mesmas que a de todos os médiuns, e exigem deles o mesmo esforço, a mesma dedicação e a mesma responsabilidade.

Não é fácil ser um cambono. Para ser um, é preciso aprender muito sobre o mundo espiritual e sobre a conduta que deve adotar para alcançar a evolução espiritual.

OS CAMBONOS SÃO O CARTÃO DE VISITAS DO TERREIRO.

RESUMINDO, SER CAMBONO É ALGO MAGNIFICO E DE EXTREMA IMPORTANCIA, BASTA REFLETIRMOS PARA MELHORARMOS DENTRO DO QUE NOS PROPOMOS A PRATICAR.

AXÉ AMIGOS!!

EVOLUÇÃO – Pedir ou servir a Espiritualidade?

11215091_813889338728086_7202089776570731646_n

 

É muito comum de se notar, nos lugares onde se praticam as religiões que lidam diretamente com a Espiritualidade (Umbanda, Candomblé, Kardecismo, etc.), pessoas que vão apenas para pedir. E os pedidos são os mais variados que se possa imaginar: cura para enfermidades (físicas e espirituais), melhora de emprego, ou no próprio emprego, pedido para que o relacionamento pessoal seja melhorado (mas tanto o homem como a mulher que integram essa relação não buscam se melhorar). Enfim, esses são alguns dos tipos de pedidos feitos para a Espiritualidade, na intenção de que se realizem.

Servir na Espiritualidade. Para muitas pessoas, a palavra servir traz a ideia de submissão, ser inferior, “semiescravo”, quando, na realidade, revela o quanto o ser que decidiu servir ao próximo, de preferência com AMOR, é elevado e forte. É elevado, pois a sua visão fez com que enxergasse “algo a mais” que a competição nossa do dia-a- -dia gera como normal e imutável. E forte ele também o é para conseguir sustentar “a diferença” que a sua atitude de servir gerou em relação à maioria das pessoas que não servem (nem a nada e nem a ninguém).

EVOLUÇÃO só ocorre quando existem mudanças. Na estagnação, nunca haverá evolução. O que se pede à Divindade? Evolução. Evolução pessoal, evolução da humanidade, evolução do planeta. A gente pede mudanças e acredita, à primeira vista, que as mudanças devem ocorrer no plano físico: mudar de emprego, mudar de casa, etc. Mas as mudanças mais importantes são as mudanças que ocorrem dentro de nós mesmos, as mudanças internas. Mudanças na forma de ver as coisas, na forma de valorizar os grupos aos quais se pertence, na forma de ver a sociedade emque se está e em nossos conceitos.

Podemos dizer, sem sombra de dúvidas, que SERVIR na Espiritualidade é muito melhor que só PEDIR para a Espiritualidade. Toda vez que se PEDE algo, a chance do EGO estar predominando no pedido é enorme. E quando se serve na Espiritualidade, o Ego tende a diminuir muito, pois a própria Espiritualidade nos recebe e nos abraça, para ir nos mostrando, ao longo do tempo, o que precisamos para melhorar, isto sim é EVOLUÇÃO.

Grande Axé á todos os amigos leitores de nosso site.

 

*Textos retirados do Jornal de Umbanda Sagrada colégio Pena Branca.

Drenagem de Energias – 02/04/2011

Atitudes que consomem Energia

1. Pensamentos obsessivos – Pensar gasta energia, e todos nós sabemos disso. Ficar remoendo um problema cansa mais do que um dia inteiro de trabalho físico. Quem não tem domínio sobre seus pensamentos – mal comum ao homem ocidental, torna-se escravo da mente e acaba gastando a energia que poderia ser convertida em atitudes concretas, além de alimentar ainda mais os conflitos. Não basta estar atento ao volume de pensamentos, é preciso prestar atenção à qualidade deles. Pensamentos positivos, éticos e elevados podem recarregar as energias, enquanto o pessimismo consome energia e atrai mais negatividade para nossas vidas.

Continuar lendo