Ritual Amaci

O Amaci é um ritual umbandista, onde anualmente os médiuns iniciantes e os mais antigos da corrente devem passar por ele. Este ritual tem a finalidade de preparar o médium para receber as energias vibrantes do terreiro, além de oferecer ao filho de fé a limpeza de seu campo áurico, bem como confirmar as entidades trabalhadoras da coroa daquele médium.
Também visa propiciar ao médium maior contato com seus Orixás de Coroa, pois que para seu preparo será de praxe, que o dirigente do templo colha as ervas de todos os Orixás, uma de cada pelo menos, e coloque-as quinadas dentro do preparo que será feito com as quatro águas (mar, cachoeira, chuva e fonte/mineral).
No ritual, cada médium em fila deve estar trajado de branco e cada um com seu respectivo pano de cabeça, para que após a lavagem da mesma, seja esta protegida pelo pano.
Após o banho ser jogado na cabeça do filho de fé, este deverá colocar o pano de cabeça, em silêncio absoluto.
Importante salientar que tanto para os médiuns iniciantes como para os coroados, será indispensável que a energia do Amaci permaneça no campo áurico por pelo menos 24hs, e não mais de 72hs, sendo portanto recomendado que não se molhe a cabeça nas primeiras 24hs. Terminada a Gira do Amaci, podem os médiuns retirar seus panos de cabeça.
Frise-se que a Gira do Amaci tem outros fundamentos, que não compete ao momento a divulgação, tais fundamentos referem-se aos pontos a serem cantados, ao ponto de firmeza que será riscado, ao defumador que nesta gira não será o habitual, além das firmezas outras que uma Casa de Umbanda deve ter nos dias de Amaci.
Continuar lendo

Formação religiosa infantil na Umbanda


A importância da formação religiosa infantil desde os tempos imemoriais, a humanidade procurou registrar pela escrita os acontecimentos, idéias, ensinamentos, experiências e símbolos que marcam a sua passagem pelo tempo. As civilizações extintas continuam a falar através dos diversos tipos de escrita que deixaram.


Este foi o problema com a memória de nossa Umbanda: pelo menos 1000 anos de tradições africanas, se perderam com a escravidão no Brasil. Somente com a popularização de nossa religião e com a luta contra o preconceito conseguiremos ser respeitados pela má informação.

Hoje temos mais facilidade para falarmos de Umbanda e de cultos afro-brasileiros que no passado. Portanto, maior responsabilidade com nossas crianças, podemos torná-los atuantes em nossas vidas e aprofundá-los nos ensinamentos em comunhão com nossos irmãos.

Vamos incentivar o hábito da boa leitura nas novas gerações, especialmente em leituras que impulsionem o progresso espiritual.
Continuar lendo