Oração de um Médium


“Clareia meus pensamentos, Pai, mesmo que tarde eu tente compreender Tuas Coisas, Teus Mistérios, a Minha vida, os meus irmãos e o mundo;

Sutiliza meus sentimentos, Pai, mesmo estando tão pesados, pois desejo elevá-los para o Amor;

Esteja sempre comigo, Pai, enviando seus Anjos da Luz, amparando as minhas ações, mesmo que elas ainda estejam carregadas pelo egoísmo, cólera, inveja, cobiça incompreensões e outros vícios, para que eu possa fortalecer minha fé em Ti e poder contribuir na construção do Seu Universo de Amor;

Protejam-me Orixás Senhores da Luz de Olorum, dos perigos que não sei e daqueles que acho que sei;

Ampara-me com sua bandeira branca, Pai Oxalá, para que eu me relacione com as trevas sem ser coagido, imantado ou perseguido por elas;

Permita Pai que as Altas Vibrações de Ti e dos Teus Sagrados Orixás me acompanhem sempre para que eu seja realmente um legítimo instrumento da Tua Luz;

Anule meu egocentrismo para que a humildade verdadeira seja a real amostra do Poder Divino perante as ilusões da vida perecível;

E que os meus recalques e erros do passado não mais me negative, todavia, me dê forças na experiência do perdão incondicional para que, de agora em diante, acerte fazendo o Bem que deva ser feito, e para quem, mas nunca vicejando o mal para ninguém;

Orientai-me a ser um fiel guardião dos instrumentos, conhecimentos e imantações a mim doados por Ti para que o respeito às Tuas Leis façam a harmonia e a felicidade nas bifurcações dos caminhos, tanto dos meus como no dos irmãos que confiar a este humilde candidato a servidor da Luz;

Peço sua Benção, agradecendo e que este sentimento de gratidão seja infinito para que eu possa me aproximar mais de Ti.
Obrigado Pai Olorum. Obrigado Mentores da Luz, Obrigado Sagrados Orixás. Saravá!”

Psicografado por Douglas Elias

A filha de Olorum


E sua majestosa voz ecoou pelo alto, pelo embaixo, pela esquerda e a direita, pelo a frente e o atrás, pelo envolta. Por determinação do pai – mãe de Todos, uma nova religião nasceria sob solo brasileiro. Era sua filha mais nova, a Umbanda.

E um verdadeiro rebuliço começou no Orum, pois logo o mais respeitado dos Orixás se ergueu de seu Trono e disse que ele seria o responsável e sustentador maior da religião. Oxalá abençoava o nascer da mais nova filha de Olorum, e a assumia dos Seus Divinos Braços. Nela a espiritualidade e a fé estariam presentes, como aceleradora da evolução de todos. Não existiriam dogmas, e apenas um grande fundamento: Amor e Caridade.

E logo começaram a chegar os Orixás, todos também abençoando e apadrinhando a nova filha de Olorum. Ogum e Iansã, os mais emocionados de todos, diziam que protegeriam a nova religião com as armas da Lei.

E então a voz trovão de Xangô ecoou, pelos quatro cantos do Orum, dizendo que ele seria a Justiça a favor de todos. Sua palavra seria Lei, e os filhos de Umbanda nada temeriam, pois todos são filhos de Rei, o Rei Xangô.
Também apresentou a todos sua mais nova esposa, Egunitá a quente irmã mais nova de Iansã. Ela que era “fogo puro” encantou a todos, e disse que protegeria a Umbanda.
Continuar lendo