Ostára

ostara

Ostara é o primeiro dia da Primavera, ocorre cerca de 21 de Setembro no hemisfério Sul e 21 de Março no hemisfério Norte.

O inicio da primavera marca também a volta do Sol e uma época do ano em que dia e noite tem a mesma duração depois do inverno. Para os wiccans é o despertar da Terra com sentimentos de equilíbrio e renovação.

Ostara, também conhecida como Eostre (Deusa Anglo-Saxã, que significa Deusa da Aurora) ou Easter (Pascoa, em inglês), pois a pascoa no hemisfério norte é realizado nesta época, são deusas da primavera, da ressurreição e renascimento e tem como símbolo o coelho. Uma das principais tradições desse festival é a decoração de ovos.

O ovo representa a fertilidade da Deusa e do Deus. Outra tradição muito antiga é a de esconder os ovos e depois achá-los.(Talvez veio daí o costume dos Norte-americanos de esconderem os ovos de chocolate no dia da Páscoa para que as crianças os achem.)

Mesmo os não wiccans sentem-se diferentes neste período, mais dispostos, comem menos, dormem menos e acordam mais cedo.

Para os wiccanos também é época de começar a plantar, época do amor, de promessas e de decisões, pois a Terra e a natureza despertam para uma nova vida.

Umbanda e a Páscoa

pascoa

A Páscoa é uma data cristã-católica, que nada teria haver com a Umbanda se não fosse o sincretismo religioso que influencia nossa religião até os dias de hoje.

Ocorre que essa data, por mais católica que seja, trás consigo um significado que pode provocar uma boa reflexão a nós, umbandistas, que tem muita semelhança com nossos fundamentos.

Páscoa significa vida, renovação. Na vida é necessário renovar sempre, para crescer, evoluir. Nesta evolução está a libertação de tudo que é errado, que prejudica nosso convívio com as outras pessoas ou causa transtorno a natureza, ao planeta. Acho que é este o real sentido da vida, de estarmos aqui. Se não fosse isso não haveria explicação para tantas diferenças.
Continuar lendo

Semana santa e a Umbanda


A quaresma é um período entendido e tratado de maneira peculiar na visão de diversas religiões, mas na sua essência representa um processo necessário na vida de todo ser humano, a reflexão buscando auto conhecimento.
Todo espiritualista sabe e se prepara para as alterações energéticas geradas durante os três ciclos de grandes egrégoras (Carnaval, Quaresma, Semana Santa).
Cada umbandista sabe que a mudança faz parte do aprendizado e crescimento espiritual, devemos vencer os demônios da vaidade, inveja, egoísmo e tantos outros, para merecer a oportunidade de trabalhar na corrente de um terreiro.
Umbandista, entre nesta vibração que está sendo gerada pelos seguidores de várias religiões e retire o melhor que puder para sair renovado e ter condição de assumir a grande e difícil responsabilidade de ajudar o próximo, sem julgamentos, sem preconceito, seguindo mais uma vez o exemplo do mestre.
Quem sabe assim, com resignação e disciplina você também não deixe sua marca na história.
Continuar lendo