POMBAGIRAS – AS RAINHAS DA UMBANDA

rainha
Eu Trabalho : De noite e de dia, lugares frios e quentes,
No escuro e no claro, contra o medo e com a coragem,
Contra a ignorância e com a inteligência,
A favor dos menos favorecidos e contra os mais abusados,
Abrindo os caminhos, para os humildes e necessitados, fechando os
caminhos, para os desonestos e perversos,
Estimulando aqueles que têm vontade de evoluir,
Esgotando aqueles que pensam apenas “em como prejudicar”,
Despertando vontades, sensações e desejos,

Continuar lendo

POMBAGIRAS – Espíritos de Luz

969267_261203894004687_817979969_n

FALANDO SOBRE POMBAGIRA.

Personagem das mais importantes devoções brasileira, eis a Pomba gira, a grandiosa dama da noite, rainha das ruas, dos cemitérios e das encruzilhadas. Para algumas pessoas é o aspecto feminino do orixá Exu; para outros, uma entidade que viveu na terra e hoje retorna para ensinar, aprender e gozar de alguns prazeres. Mete medo em muita gente e tem sido alvo nos ataques às religiões afro-brasileiras.

Têm presença garantida nas casas de umbanda, algumas de candomblé, e em outras religiões afro-brasileiras..São conselheiras valorosas e chamam a atenção por sua exuberância e seu deboche. Você pode encontrar diferentes grafias para a palavra, diferentes também são os discursos sobre elas. O que não muda é que a Pomba gira representa a sexualidade em seu aspecto feminino, em complemento a Exu – que representa o masculino.
As Pomba giras são entidades que já viveram na terra e que voltam para fazer contato para ensinar, aprender,evoluir. São muito procuradas com a resolução de conflitos amorosos, para a manutenção de relacionamentos afetivos familiar e de questões relacionadas ao dinheiro e ao poder aquisitivo.
Sua força é grandiosa. A ela, pede-se proteção, tanto para vencer as demandas quanto para proteger as casas e os terreiros.

Existem diversas Pomba giras: Maria Padilha, Maria Mulambo, Maria Quitéria, Cigana, das Almas, Sete Saias, Sete Maridos, Rainha, Rosa dos Ventos, Calunga, Das Águas, Dama da Noite, Mocinha, Do Cruzeiro etc. E todas elas têm uma história de vida em que esbarram com o amor e com alguma opressão da sociedade em que viveu….

Ótimas entidades para desmanche de magias negras,para resgate de relacionamentos conturbados e para limpeza de caminhos.

AXÉ

Aos egoístas, vaidosos e orgulhosos.

rosa+caveira.gif

O desequilibrado mentalmente e emocionalmente, encontra como calço para seus pés incautos e insensíveis, os que ele tem como mendigos do saber de algo a mais. E ele débil cidadão através do impor condições sobrevive apenas, mais e mais ansioso por aplausos e viciado pelos apegos do ego agressivo; tendo como suporte para o poder, a, avantajada vaidade em legitima tentativa de se sobrepor aos alheios a suas analises petrificadas com os seus modos e formas vivencias não menos mecânicas e repetitivas de desleixar da vida. Eis que o ser mentalmente e emocionalmente desequilibrado, vive em procura sequiosa de perceber-se ao menos em paz, ante o meio que vive, assegurando-se que só os outros lhe vejam com pena. Lamentável, miserável de si mesmo! Eis uma situação dos alienados pela vaidade, orgulho e egoísmo, que não sente por si próprio a paz.

Espírito Guardiã Exu Rosa Caveira.
Psicografia médium: Edson Rosa
Fonte: Diálogo com os espíritos

Os guardiões

Na umbanda e nos cultos de origem afro, a palavra exu é empregada para se referir aos guardiões. — Porém, como exu é um termo comum à terminologia africana e afro-brasileira, em geral apenas nos cultos citados é que se utilizam esse e outros nomes, que, aos olhos de muita gente, são estranhos ou destituídos de significado.

Contudo, não podemos ignorar que os guardiões representam, em todos os planos onde atuam, uma forma de equilibrar as energias do universo, da mesma forma que os exus. Sem os guardiões, muitas tarefas, senão todas seriam inconcebíveis, tanto no plano físico como no astral.

“No entanto, não se deve fazer confusão, presumindo que todos os guardiões desempenham tarefas de igual teor.”
Continuar lendo

Orixá PombaGira

pg

É claro que uma mu­­lher altiva, senhora de si, segura, compe­tentís­si­ma no seu campo de atuação, seja ele profissional, político, intelectual, artístico ou religioso, impressiona positivante alguns e assusta outros.

Agora, se esse imenso potencial também aflorar nos aspectos íntimos dos relacionamentos homem-mulher, bem, aí elas fogem do controle e assustam a maioria como começam a ser estereotipadas como levianas, ninfomaníacas, etc., não é mesmo?

Liberdade com cabresto ainda é aceitável em uma sociedade patriarcal e machista.

Mas, sem um cabresto segurado por mãos masculinas, tudo foge do controle e a sociedade desmorona porque não foi instituída a partir da igualdade, e sim, da desigualdade.

Uma mulher submissa, só acostumada e condicionada a sempre dizer “amem”, todos aceitam como amiga, como vizinha, como colega de trabalho, como namorada, como esposa, como irmã, etc., mas uma mulher questionadora, insubmissa, mandona, contestadora, independente, perso­nalista, etc., nem pensar não é mesmo?

– Pois é!
Continuar lendo