SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO

Jesus Cristo

Na Sexta-feira da Semana Santa, temos a “Paixão de Cristo”, que representa a entrega de Jesus ao Calvário. A Sexta-feira Santa é um feriado móvel, que serve como referência para outras datas. Para calculá-lo analisa-se a primeira Sexta-feira após a primeira lua cheia, depois do Equinócio de Outono no Hemisfério Sul e Equinócio de Primavera no Hemisfério Norte. Essa data é móvel porque pode ocorrer entre 20 de março e 23 de abril.

Segundo a tradição Cristã, a Ressureição de Cristo aconteceu no domingo seguinte ao dia 14 de “Nissan”, no Calendário Hebraico. Nissan é nome do mês hebraico que representa “primeiros frutos”, pois inicia na Primeira Lua Nova da época da colheita da cevada em Israel. Assim, realizando a contagem a partir do domingo e, sabendo-se que nos costumes judaico e romano contava-se o primeiro e o último dia, a Igreja chega à “Sexta-feira” como dia da morte de Cristo. O nome Nissan é considerado de origem babilônica e na Torá o nome do mês é Abib.

A crucificação de Jesus ocorreu pelas mãos do Juiz Pôncio Pilatos e do Imperador de Roma: Tibério Cláudio Nero César. O crime que condenou Jesus à morte foi escrito em uma placa afixada sobre sua cabeça na cruz: INRI – Iesus Nazarenus Rex Ioderum, ou “Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus”. Jesus carregou a cruz até o lugar da execução e este trajeto público é chamado de “Via Crucis”.
Jesus Cristo foi pregado na cruz mas, por vezes, o condenado era apenas atado a esse instrumento. A crucificação era considerado um método de suplício, pois o tempo de agonia do criminoso era intensamente prolongado. Entre os judeus, algumas vezes, o corpo dos criminosos era pendurados numa árvore ou de cabeça para baixo, como foi o caso de Pedro.

Na oração do terço dentro do Rosário, o mistério de Jesus carregando a cruz representa o “Quarto Mistério Doloroso”. Esse é o mistério que nos faz refletir sobre as cruzes nossas de cada dia. Ao carregar a cruz pelo Calvário, Jesus nos ensina a aceitarmos e a carregarmos nossas próprias cruzes. Quando Maria foi apresentada como a Mãe de Todos Nós (Nossa Senhora) por Jesus, ela assumiu o papel de mediadora entre nós e Jesus.
fonte – umbandaempaz.

Na umbanda respeitamos todas as religiões e doutrinas, e para a Umbanda o significado da Sexta-feira Santa é de extrema importância, pois além do fato de enorme respeito de ser o dia do Calvário de nosso mestre Jesus, também acredita-se que esse é o dia em que os Orixás descem do Orún (mundo espiritual), para conhecer a grande criação de Olorum (Grande Criador, Divino, Deus criador de tudo).

Na noite de quinta para Sexta-feira da Paixão, os seguidores da Umbanda se protegem com seus contra-eguns. Eguns são espíritos que ainda não adquiriram um grau de consciência e muitas vezes ainda nem sabem que desencarnaram, e podem se tornar obsessores.

O Rito de Umbanda na noite de Sexta-feira Santa é o Fechamento de Corpo.
A cerimônia de Fechamento do Corpo é feita na Sexta-Feira Santa na Umbanda, pois é um dia de forte egregora e grandeza energética do planeta. Nessa cerimônia, os Sacerdotes de Umbanda se utilizam do magnetismo de ervas, cristais, pembas consagradas, entre outros para a realização do ritual, assim criando elos com o plano espiritual que emana vibrações, fluídos e energias para a proteção dos encarnados.

Este ritual tem por finalidade de impedir a ação de espíritos manipuladores de energias negativas contra nós seres encarnados, além de nos proteger de males materiais, como ferimentos por armas brancas e de fogo, acidentes, e vários tipos de ferimentos.
Emanando as forças de nosso Pai Ogum (Sincretismo com São Jorge) o grande Cavaleiro de Aruanda, para que com suas forças possa nos amparar por mais um ciclo carnal.

Que esta Sexta-feira da Paixão seja de grande Reflexão a todos nos, utilizando-nos da grande lição que nosso Mestre Jesus nos deixou.
Que Oxalá abençoe a todos nós.
Axé!