Tudo é passageiro

Cacique Pena Branca

Uma gira de Umbanda é bonita de se ver.

Todos dançam e cantam, assim os seus males espantam!

Um trabalho pode ser sério, mas ter muita alegria. Mas muitos não entendem como se faz para manter a harmonia.

Só se consegue com o amor, e isso independe de religião. Amor de quem vem dar, amor de quem vem receber. Mesmo que isso, ainda para muitos, significa sofrer.

Meus irmãos, tudo é passageiro. Quando vocês encaram o sofrimento como oportunidade de aprendizado, consegue enxergar que único é o motorista, Zambi.

A disciplina é feita da sinceridade e mesmo quando tudo parece estar errado, o compromisso não é abandonado. Isto é ser sincero! Na verdade, isto é ser sincero consigo mesmo, com a própria consciência. Não sejam prepotentes pensando que o não cumprimento das responsabilidades assumidas antes da reencarnação e que brotam do interior, é traição para com o Pai. Quem trai, trai a si mesmo! O Criador é inatingível e intangível!

Portanto, olhem lá para fora, e observem a natureza. Ela dança e canta com muita alegria, espantando o mal que o homem na Terra planta. Há harmonia até mesmo nas tempestades, basta contemplar as Potestades (poderes Divinos)…

Não há nada errado no mundo! Na realidade, equivocados estão a maioria dos habitantes do mundo. Sabem aquele passageiro que se acomodou em outro lugar porque permitiu se enganar? Pois é, mas ele tem toda a viagem para poder se consertar!

Quando a tempestade invadir o seu coração, dê graças aos céus e reflita com a Mãe de todas as Leis, a Lei da Evolução.

Tudo é passageiro, único é o motorista, Zambi!

Caboclo Pena Branca
Psicografia de Mãe Vanessa Cabral – 09/02/08